Sem uma visão o povo perece

sem_visao

Se você falha em ter uma visão, você está a ter uma visão para falhar. Sem uma visão clara, não há objectivos nem metas claras. Ficam as voltas no deserto nunca chegando nem indo a lado nenhum. Esta é a razão pela qual alguns ministérios nunca crescem, eles não têm uma visão clara daquilo que Deus quer que eles façam, como resultado não sabem em que direcção devem correr, vão vivendo ao sabor das circunstancias, como um barco á deriva no meio do mar. Visão não é contemplação, visão é uma acção em busca de um objectivo claro. Uma visão é algo invisível que Deus quer trazer á realidade. Uma visão tira-te da “escravidão” e leva-te para o propósito de Deus na tua vida. A promessa de Deus gera uma visão, uma visão gera acção e uma acção gera realização.

A Bíblia fala, que a vida cristã é como uma corrida e compara o ministro de Deus com um atleta: (Hb.12.1) “Portanto, nós também, pois estamos rodeados de tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com perseverança a carreira que nos está proposta”
(2Tm.4.7) “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé”.
(At.20.24) “mas em nada tenho a minha vida como preciosa para mim, contando que complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus”. Correr numa corrida pressupõe-se que sabemos na direcção que está a meta e é nessa direcção que corremos, e nos esforçamos, para alcançar essa meta; essa visão, esse sonho. Agora, imagine uma corrida de maratona, mas ninguém sabe ao certo onde fica a meta, correriam uns para cada lado e acabariam por desistir pelo desânimo de não saber qual a direcção a seguir. E se fossem mais inteligentes nem começavam a correr. Correr para onde?

É precisamente o mesmo problema que têm alguns ministros de Deus. Faz estas perguntas a ti mesmo:

O que é que Deus quer que eu faça?
Qual é o meu ministério?
Qual é a prioridade do meu ministério?
Qual é a minha visão?

Se não sabes as respostas a estas perguntas, então tu não tens uma visão. E se não tens uma visão então não sabes para onde ir; vais andando por aí.

Precisas ter uma visão definida daquilo que Deus quer que tu faças. Depois de ter uma visão, precisas ter um plano de como alcançar essa visão. É aqui que está grande parte, do sucesso do teu ministério.

A tua visão é a expressão por palavras daquilo que Deus quer que tu realizes. Se Deus te chamou para ser um evangelista não adianta ter uma visão de pastorear uma igreja local, estarias a alimentar uma visão fora dos planos de Deus para a tua vida. Até poderias ter alguns momentos bons, mas o teu ministério não passaria disso: “ ...alguns momentos bons...”.

É importante que tu tenhas uma visão clara do teu ministério porque o Espírito Santo opera através de sonhos e visões. O ministério é um trabalho a dois, tu fazes a tua parte e Deus fará a Dele. Gosto particularmente de um dos significados atribuídos ao Espírito Santo na palavra “ paracletos” – (aquele que segura na outra ponta). tu imagina que precisas remover alguns moveis pesados. Pois bem, o Espírito Santo é o teu ajudante, como tu não podes fazer essa obra sozinho, Ele vai segurar na outra ponta; Quando tu pegas numa mesa, Ele segura na outra ponta; quando tu pegas no armário, Ele segura na outra ponta e assim tu cumpres a missão que te foi confiada.

Deus sempre tratou de ajudar aqueles que tinham promessas para conquistar e uma obra a fazer. Em todos os casos, vemos que Deus tratou de dar-lhes uma visão, isto é uma imagem definida daquilo que Deus tinha para eles. O que foi também a forma de eles tomarem posse do plano de Deus. Como “... eu, o Senhor, não mudo,...” (Mq.3:6), o método de Deus continua a ser o mesmo hoje. Vejamos alguns exemplos.

 

ABRAÃO

(Gn.13.14-15) “E disse o Senhor a Abrão, depois que Ló se apartou dele: Levanta agora os olhos, e olha desde o lugar onde estás, para o norte, para o sul, para o oriente e para o oriente; porque toda esta terra que vês, te hei de dar a ti, e à tua descendência, para sempre.” Deus está a dar-lhe uma visão, “levanta os teus olhos e vê...” uma meta, um sonho, um objectivo pelo qual crer e, se esforçar. (Gn.15.3-5) “Disse mais Abrão: A mim não me tens dado filhos; eis que um nascido na minha casa será o meu herdeiro. Ao que lhe veio a palavra do Senhor, dizendo: Este não será o teu herdeiro; mas aquele que sair das tuas entranhas, esse será o teu herdeiro. Então o levou para fora, e disse: Olha agora para o céu, e conta as estrelas, se as podes contar; e acrescentou-lhe: Assim será a tua descendência.” Uma nova visão, novo alvo para a sua vida. Como não poderia conquistar este alvo pelo método natural, teria de aprender a usar os princípios da fé, este é o primeiro passo depois de crer na promessa, “...olha para o céu.. Assim será a tua descendência”. (Gn.31.11,12) “Disse-me o anjo de Deus no sonho: Jacó! Eu respondi: Eis-me aqui. Prosseguiu o anjo: Levanta os teus olhos e vê que todos os bodes que cobrem o rebanho são listrados, salpicados e malhados;...” O método de Deus é sempre o mesmo e este é o poder de ter uma visão, se não fosse tão eficaz, Deus certamente que não o usaria em momentos que é preciso transformar circunstancias, que humanamente são impossíveis de transformar. “levanta os teus olhos e vê...”. Deus estava a dar-lhes uma visão. Algo para conquistar pela fé.

 

JACÓ

(Gn.30.37-39) “Então tomou Jacó varas verdes de estoraque, de amendoeira e de plátano e, descascando nelas riscas brancas, descobriu o branco que nelas havia;
e as varas que descascara pôs em frente dos rebanhos, nos cochos, isto é, nos bebedouros, onde os rebanhos bebiam; e conceberam quando vinham beber.
Os rebanhos concebiam diante das varas, e as ovelhas davam crias listradas, salpicadas e malhadas.” As varas não estavam ali, para as cabras verem. As varas foram postas onde Jacob, passava mais tempo com as cabras, para manter a visão. Quando chegava a altura das cabras fortes serem cobertas, Jacob punha as varas. Quando era a altura das cabras fracas serem cobertas, Jacob tirava as varas, para não imaginar cabras fracas, salpicadas e malhadas.
Uma visão tem dois aspectos importantes. 1- missão, 2- imagem interior de si mesmo. Produz como resultado, que, quando imaginamos o plano de Deus, ele começa a fazer parte de nós mesmos e começamos a tornar-nos no que vemos, na visão que Deus nos deu. Quando Deus nos dá uma visão, Ele está a delegar em nós uma missão, uma comissão; no grego ( Oikonomeo) de onde sai a palavra economia e mordomo, isto é aquele que administra a lei da casa, aquele que realiza algo em nome de.... Ao mesmo tempo devemos interiorizar essa imagem e ver-nos a nós mesmos realizando essa visão. Transformamo-nos na visão que temos, somos aquilo que vemos, é um principio espiritual. Quando Deus nos delega uma missão, podemos estar seguros de que Ele também nos dará a capacidade de realizá-la. Um bom exemplo disto é o encontro com Gideão.

 

GIDEÃO

(Juz.6.11)“...Gideão estava malhando o trigo no lagar para o esconder dos midianitas”. Gideão era um homem dominado pelo medo e fazia a sua vida, dentro dos padrões estabelecidos pêlo medo. Sabemos que malhar o trigo não se faz no lagar, naquele tempo um lugar seria dentro de uma caverna, um lugar escondido.  O trigo malha-se na eira – lugar aberto onde o vento separa a palha do grão. “Apareceu-lhe então o anjo do Senhor e lhe disse: O Senhor é contigo, ó homem valoroso”... O Anjo transmitiu ao Gideão o recado de Deus e é nítido o susto que o Gideão apanhou,”...Gideão lhe respondeu: Ai, senhor meu,...” ele pensando que estava ali só e de repente ouve um homem a falar com ele. A verdade é que Gideão ainda não tinha percebido que se tratava de um anjo, parecia-lhe um homem normal. “...se o Senhor é connosco, por que tudo isto nos sobreveio? e onde estão todas as suas maravilhas que nossos pais nos contaram, dizendo: Não nos fez o Senhor subir do Egipto? Agora, porém, o Senhor nos desamparou, e nos entregou na mão de Midiã.” Uma pessoa sem uma visão, já está derrotada, vive das experiências do passado, lembrando os bons velhos tempos, mas não tem esperança para o futuro e rende-se ás circunstancias que a rodeiam. Porquê? Porque não tem um sonho pelo qual lutar, não tem uma razão para se levantar, nada para conquistar; não tem motivo para arriscar. “...Virou-se o Senhor para ele e lhe disse: Vai nesta tua força, e livra a Israel da mão de Midiã; porventura não te envio eu?...” Agora Deus dá-lhe uma missão, mas de novo a imagem (visão) que Gideão tem de si mesmo luta para mantê-lo amarrado ao seu fracasso, “... Replicou-lhe Gideão: Ai, senhor meu, com que livrarei a Israel? eis que a minha família é a mais pobre em Manassés, e eu o menor na casa de meu pai”. O Anjo volta a insistir no recado de Deus para Gideão, Sabemos que o Anjo não está a falar baseado nas aparências, mas na visão que Deus mesmo, tinha de Gideão.  Gideão não percebe e trata de convencer o Anjo porquê não pode fazer aquilo que lhe está a pedir. ...”eis que a minha família é a mais pobre em Manassés, e eu o menor na casa de meu pai”. Ele se vê incapaz de fazer qualquer coisa para mudar as circunstancias e tem os seus argumentos. O mais novo da sua família, ou seja, o último a falar e a sua família a mais pobre da sua tribo. São dois fortes motivos para não fazer o que Deus queria. “Tornou-lhe o Senhor: Porquanto eu hei de ser contigo, tu ferirás aos midianitas como a um só homem. Prosseguiu Gideão: Se agora tenho achado graça aos teus olhos, dá-me um sinal de que és tu que falas comigo”. O Anjo dá-lhe o resto das instruções, a visão de Deus a respeito de Gideão:“...O Senhor é contigo, ó homem valoroso... : Vai nesta tua força, e livra a Israel da mão de Midiã; porventura não te envio eu?... : Porquanto eu hei de ser contigo, tu ferirás aos midianitas como a um só homem.” Finalmente Gideão aceitou a visão de Deus a seu respeito. Começou a ver-se a si mesmo, como Deus o via e a sua vida nunca mais foi a mesma. Com o seu coração transformado Gideão transformou uma nação, trazendo libertação e prosperidade a todo o povo.

Como é que tu vês a tua igreja?, Qual é a visão que tu tens de ti mesmo?

Um bom exemplo disto é o exemplo do restaurante, escondido, ar de tasca. Mas está sempre cheio; Porquê? Porque a comida é boa e os clientes são bem tratados. Dá uma boa comida, “aprende a cozinhar melhor”, trata bem “os clientes” e vais ter a igreja sempre cheia e a crescer. As pessoas virão de longe para comer a tua comida. A tua igreja é aquilo que tu vês e falas, Talvez esteja na altura de refazer a tua visão. Lembra-te que a tua igreja será aquilo que tu és, a tua igreja tem o tamanho do teu coração.

Uma vez um excelente arqueiro convidou o seu aluno para assistir a uma demonstração de perícia com o arco. Pegou numa rosa e a colocou no ramo de uma árvore, afastou-se cem passos e perguntou ao aluno:
- Quantas vezes já me viste fazer isto?
- Todos os dias – respondeu o aluno – e sempre o vi a acertar na rosa até de mais longe.
O arqueiro vendou os olhos esticou o arco e disparou a flecha que nem chegou a  atingir a árvore, passando a uma distancia vergonhosa.
- Você errou! – disse de espanto o aluno – pensei que queria mostrar-me a sua perícia.
O arqueiro respondeu:
- Quando tu quiseres uma coisa concentra-te nela, ninguém jamais conseguirá atingir um alvo que não consegue vê-lo.

Agarra-te á visão que Deus te deu e esforça-te no sentido de torná-la uma realidade. O pastor (líder) deve esperar em Deus para saber a direcção que deve guiar o seu “rebanho”. Ele é o guardião da visão que Deus lhe deu, ele tem de olhar mais á frente (Sl.103.7) “Fez notórios os seus caminhos a Moisés, e os seus feitos aos filhos de Israel”. Moisés conhecia os caminho a seguir, ele tinha a direcção e o povo via os resultados. Transmite essa visão para a igreja, assim, eles saberão para onde vão e a fé deles com a tua, vai tornar essa visão uma realidade.